Notícias | Engenheiros da Google falam sobre fragmentação do Android

 conferência Google I/O, realizada durante essa semana na cidade de San Francisco, nos Estados Unidos, não é um espaço apenas para a Google apresentar as suas novidades.


Focada nos desenvolvedores, a companhia promove ainda uma série de painéis e encontros em que os visitantes podem conversar diretamente com programadores e executivos.

Um dos painéis realizados contou com a presença de 11 engenheiros da equipe de desenvolvimento do Android que, durante 40 minutos responderam a diversas perguntas do público. Confira alguns dos momentos mais interessantes do bate-papo.

O que poderia ter sido feito diferente desde o início?

Para a engenheira sênior Dianne Hackborn, a equipe deveria ter mais controle sobre os aplicativos. Um grande exemplo disso é o provedor de configurações, em que as aplicações são executadas e apenas escrevemos para elas. “Isso é algo que não deveríamos ter feito”, comentou.

Como a equipe está trabalhando para combater a fragmentação do Android?

“Pensamos muito sobre isso”, disse David Burke, diretor de engenharia do Android. Ele explicou que muitos fornecedores de silício solicitam o código fonte aberto para fragmentá-lo e criar os seus próprios pacotes de suporte de placa (BSP), visando tornar o hardware compatível com o software.

Para agilizar esse processo, a equipe Android fez o código para a plataforma em mais camadas. Assim, se um fornecedor precisa modificar o código, pode fazer isso em uma camada à parte, sem afetar o sistema operacional inteiro. Somado a isso, há uma legião de usuários executando Gingerbread até hoje porque ele requer menos memória.

“Estamos procurando maneiras de tornar o Android mais eficiente para os smartphones de entrada para ajudar a melhorar essa situação”, completou.

Projeto Butter: sistema operacional mais suave

Anunciado durante a Google I/O do ano passado, o Projeto Butter (“manteiga”, em inglês) é uma iniciativa que tem como objetivo tornar a execução do sistema operacional mais “suave”, com menos atrasos e travamentos. Segundo Burke, a empresa fez muitos progressos com o Jelly Bean, mas ainda há muito a ser feito.

“Pode ser difícil tentar fazer a mesma experiência acontecer em todos os dispositivos existentes. Por conta disso, estamos trabalhando com foco em hardwares como o do Nexus 4, que já possuem GPU de alto desempenho”, explicou. A equipe pensa ainda que cada nova linha de código escrita não pode impactar negativamente na performance do sistema operacional.

Fonte - TecMundo

Termos do site


O blog Família RAZR não se responsabiliza pelos arquivos aqui encontrados. Esses Arquivos são encontrados aleatoriamente pela WEB e não fazem parte e nem pertencem a esse blog. O Blog também não tem responsabilidade sobre que sera feito com os arquivos pelos usuários que aqui frequentam, todos arquivos com direitos autorais deverão ser apagados pelos usuários em 24 horas. Todos os tutorias aqui postados são de responsabilidade de quem se aventure em faze-los!

Ao frequentar esse blog vocês concordam com os termos de uso.